quinta-feira, 2 de fevereiro de 2023

Curso Juventude Cigana recebe 63 inscrições e organização amplia 10 vagas

Ação tem como objetivo formar membros da comunidades Romani brasileiros para o combate à fake News no campo da saúde e a valorização de suas identidades e culturas

A Associação Estadual das Etnias Ciganas de Mato Grosso (AEEC-MT), a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e a Fundação Oswaldo Cruz Brasília (Fiocruz Brasília) informam que o número de inscritos no Curso de Extensão “Juventude Cigana: da Invisibilidade à Comunicação Popular em Saúde” chegou a um total de 63 pessoas, superando a expectativa das instituições.

Desta forma, a coordenação do curso, em diálogo com os Coletivos Orgulho Romani e Ciganagens e a Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), por meio do projeto Mapas da vida, decidiu ampliar de 20 para 30 o número de vagas ofertadas. O curso é realizado por meio de chamada pública da Fiocruz Brasília em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e financiamento do governo do Canadá,

As inscrições começaram no dia 28 de dezembro de 2022 e encerraram em 31 de janeiro de 2023. O curso é online e terá início em 28 de fevereiro às 19h (horário de Mato Grosso) e 20h (horário de Brasília). Serão oito encontros de uma hora e trinta minutos, sempre às terças e quintas-feiras. A última aula ocorrerá em 23 de março.

Na ocasião, ocorrerá uma abertura com a presença de representantes de todas as instituições envolvidas, como a presidente da AEEC-MT, Fernanda Caiado, a professora do Departamento de História da UFMT, Ana Carolina Borges, a Assessora Técnica da Fiocruz Brasília, Aede Cadaxa e a representante do Coletivo Ciganagens e participante do curso, Sarah Macedo.

A maioria dos participantes são da etnia Kalon, seguido pelo tronco étnico Rom. Há apenas uma pessoa inscrita da etnia Sinti. Além disso, a maioria dos inscritos são do Estado de Mato Grosso. O critério de participação de todas as regiões brasileiras e diversidade de estados foi cumprida, alcançando um total de 14 unidades da federação e mais o Distrito Federal (DF).

Entre as cidades e Estados, temos pessoas oriundas de: Sousa (Paraíba), Natal (Rio Grande do Norte), São Sebastião do Passé (Bahia), São Luis (Maranhão), Olinda e Igarassu (Pernambuco), Ananindeua (Pará), Cuiabá, Tangará da Serra e Rondonópolis (Mato Grosso), Rio de Janeiro e Campo dos Goytacazes (Rio de Janeiro), Porto Alegre (Rio Grande do Sul), Goiânia (Goiás), Florianópolis (Santa Catarina), Curitiba (Paraná), Vitória (Espírito Santo) e Aracaju (Sergipe).

Objetivo

Em um contexto em que a pandemia da Covid-19 acentuou as desigualdades sociais, ampliando o negligenciamento em comunicação e saúde dos povos tradicionais, em especial, os povos ciganos, este curso tem como objetivo oferecer uma formação online de curta duração (15h) em comunicação popular em saúde para 30 jovens romani brasileiros para atuação junto às suas comunidades no uso das ferramentas digitais e sua importância para o enfrentamento ao racismo, ao anticiganismo e o combate à desinformação e fake news no campo da saúde pública.

Oficinas e Oficineiros

Quatro oficineiros são membros da comunidade Romani: Aluízio de Azevedo, Roy Rógeres e Danillo Kalon, são do tronco Kalon; e Aline Miklos, do tronco Rom, etnia Kalderash

28/02: Apresentação do projeto, dos facilitadores, oficineiros e participantes: Gabriela Marques (Orgulho Romani), Aluízio de Azevedo (AEEC-MT), Fernanda Alves (AEEC-MT), Ana Carolina Borges (UFMT) e Aede Cadaxa (Fiocruz).

02/03: A informação  e a comunicação no campo da saúde (Aluízio de Azevedo)

07/03: O que é desinformação e fake news? Como identificar? (Roy Rogeres) 

09/03: Definindo e identificando racismo e anticiganismo: discursos de ódio e violências simbólicas (Aline Miklos)

14/03: Fact-checking: fontes, canais, legitimidade e representatividade (Karla Araújo)

16/03: Uso seguro das redes: midiatização e juventude (Gabriela Marques)

21/03: Produção de conteúdo para redes sociais: desafios para a autorrepresentação (Danillo Kalón)

23/03: Encerramento, apresentação de propostas e avaliação: Gabriela Marques (Orgulho Romani), Aluízio de Azevedo (AEEC-MT), Fernanda Alves (AEEC-MT), Ana Carolina Borges (UFMT) e Aede Cadaxa (Fiocruz).

Texto: Assessoria para Ciência e Comunicação da AEEC-MT

sexta-feira, 13 de janeiro de 2023

Departamento de História da UFMT abre curso para comunicação popular em saúde para jovens ciganos

O curso consiste em oito sessões online, com especialistas e profissionais, sobre temas relativos à comunicação e saúde das comunidades ciganas

união entre o Departamento de História da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e a Associação Estadual das Etnias Ciganas de Mato Grosso (AEEC-MT) promove as inscrições até 31 de janeiro do curso voltado para a comunicação popular em saúde. A iniciativa faz parte do projeto “Juventude Cigana: da invisibilidade à comunicação popular em saúde” está com inscrições abertas a partir de formulário eletrônico.  

A organização do curso está a cargo dos jornalistas e pesquisadores Aluízio de Azevedo e Gabriela Marques, do coletivo Orgulho Romani e a partir de chamada pública da Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O financiamento do projeto acontece a partir do governo do Canadá, que selecionou projetos de comunicação popular em saúde. A professora Ana Carolina da Silva Borges, chefe de Departamento de História, conta que a ideia do curso surgiu a partir de parcerias.

“Conheci o Aluízio através do Fórum de Patrimônio Cultural de Mato Grosso, onde atualmente estou na presidência. A partir de várias ações que o fórum faz, principalmente voltada para a invisibilidade das populações tradicionais de Mato Grosso, a gente montou um cronograma de ações que vieram de várias frentes de atuação que tem funcionado desde a pandemia de forma bastante intensa”, explica a professora (foto abaixo). 


A professora conta que há várias áreas de conhecimento, como antropologia, história e organizações não governamentais presentes desenvolvendo ações como projetos de extensão e projetos de pesquisa. “A gente viu a necessidade de mapeamento e formação para as populações tradicionais em situação de vulnerabilidade e que também tem certa invisibilidade no âmbito social”, relata Ana Carolina da Silva Borges acrescentando que as atividades já tem visibilidade nacional.

Curso surgiu para superar desinformação sobre população cigana

O curso consiste em oito sessões online, com especialistas e profissionais, sobre temas relativos à comunicação e saúde das comunidades ciganas, partindo do olhar crítico às mídias e a desinformação em saúde. Entre 28 de fevereiro e 23 de março entram em discussão a informação e a comunicação no campo da saúde; o que é desinformação e fake news, identificando racismo e anticiganismo: discursos de ódio e violências simbólicas; uso seguro das redes: midiatização e juventude; e produção de conteúdo para redes sociais: desafios para a autorrepresentação.

“Vimos que há certa demanda sobre essas discussões e há uma certa má informação sobre a populações ciganas. Veio a parceria junto com o Departamento de História para desmontar as imagens pré-concebidas, estigmatizadas e distorcidas sobre as populações ciganas. É deixar de criminalizá-los pelo foco do combate às fake news. Temos esse propósito dentro do projeto com a formação em caráter informativo e de capacitação para que as pessoas possam manejar informações para quebrar os pré-conceitos com impacto social significativo”, pontua a professora Ana Carolina da Silva Borges.

A organização informa que participantes com pelo menos 70% de presença recebem certificado ao final da formação emitido pela UFMT. Após o encerramento do curso, será elaborado um guia online sobre produção de conteúdos em saúde para populações ciganas.

Outras parcerias estão em construção

A professora  Ana Carolina da Silva Borges pontua ainda que projetos estão em reposicionamento para 2023 como o Mapas da Vida, já desenvolvido com a Universidade Federal de Rondonópolis (UFR) e a Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat). “Novas parcerias estão em costura para 2023 como o projeto Mapas da Vida. É um projeto que é interinstitucional e interdisciplinar, já realizado com a UFR e Unemat, além de pessoas com engajamento político em Mato Grosso para o mapeamento das populações tradicionais em situação de vulnerabilidade”, relata.

A ideia consiste em um levantamento gráfico com dados quantitativos com quantidade de mortos e infectados recortando algumas cidades que tinham populações tradicionais de Mato Grosso. “A gente montou vários gráficos e temos produção de material audiovisual, com pessoas que estiveram na frente. Tinham algumas temática que a gente recortava com pandemias, queimadas, dengue e a zika para saber como as populações tradicionais montam estratégias de sobrevivência diante do descaso do poder público”, conta a professora.

Um site especialmente preparado para populações tradicionais foi o resultado do projeto. “A gente montou um site para disponibilizar os materiais e as populações tradicionais saberem como está o contexto deles e foi pedido que pós pandemia o projeto não se encerrasse por conta dos produtos audiovisuais construídos como podcasts, entrevistas e rodas de conversa em formas de aulas que são pedidos das comunidades tradicionais”, destaca sobre a parceria com a AEEC.

Disponível em: https://ufmt.br/noticias/departamento-de-historia-abre-curso-para-comunicacao-popular-1672922378#top_page 

Filme “Caminhos Ciganos” viaja no universo romani de Brasil, Portugal e França

Músicos ciganos tocam durante a peregrinação de Santa Sara Kali, em Saintes-Maries-De-La-Mer, França, reunindo ciganos do mundo todo, no dia 24 de maio, quando se comemora a padroeira cigana

Com uma linguagem cinematográfica, que inova ao apresentar cenas e cores vibrantes e uma estética romani tão íntima, que só quem é de dentro consegue captar; o curta metragem “Caminhos Ciganos” registra a longa viagem de um cineasta de etnia Calon, Aluízio de Azevedo, que ocorreu em 2017, no intuito de reconhecer e fortalecer sua identidade e ancestralidade. Aprovado no Edital Audiovisual 2021 – Cine Motion da Secretaria de Estado de Cultura, Esportes e Lazer de Mato Grosso (Secel-MT), o trabalho está em fase de finalização e deve ser lançado no início do segundo semestre deste ano.

A trajetória pelo universo cigano inicia em seu microcosmo familiar, com seus tios-avós, os cunhados Eurípedes e Araxides e Stoesse, em Tangará da Serra (MT). De lá, o cineasta, percorreu milhares de quilômetros, de carro, ônibus, avião e barco, entre Brasil, Portugal e França. Mas foi na cidade, sua terra natal, que surgiu ideia de enviar recados de seus parentes, que pertencem ao tronco étnico Calon – os outros dois são os Rom e os Sinti – para os ciganos que encontrasse no caminho.

Trailler - barraco improvisado, sem água e luz, na cidade de Beja, Portugal

Com cenas completamente inéditas do universo cigano, a produção audiovisual entrelaça as sutilezas e surpresas desses encontros, a produção reconecta pessoas separadas por séculos. A exemplo dos irmãos cantores sertanejos Jefferson e Wanderley, do Acampamento Nova Canaã, em Brasília; ou das “Marias” Rosa e Amélia, da cidade de Beja, em Portugal, que apresentam os dramas e os modos de vida romani no país.

Road movie dirigido por cineasta de etnia Calon aborda culturas e identidades ciganas numa narrativa poética e intimista

Acompanhado por dois parceiros de viagem, os codiretores Rodrigo Zaiden e Karen Ferreira e partindo da técnica de câmera na mão, o trabalho é recheado de travellings, conversas coletivas e registros cotidianos de diferentes comunidades ciganas dos três países. Nada convencional, a narrativa traz reconhecimentos identitários mútuos, a r-existência na manutenção de valores e estilos de vida distintos das sociedades majoritárias, bem como o passado comum de perseguição e racismo.

“Em 2017, percorremos inúmeras cidades brasileiras, portuguesas e francesas, no intuito de conhecer outras comunidades ciganas, conviver com elas e imergir em seus cotidianos. Passamos por mais de quatro cidades no Brasil, 10 cidades em Portugal e uma cidade na França. Cruzamos e conversamos com personagens marcantes da vida romani, que encantam pela visão sabedoria e simplicidade e contam como acontecem suas relações com os não-ciganos, a hibridação e/ou a manutenção das identidades Romani”, lembra Aluízio de Azevedo.

Aluízio conversa com o Rom Kalderash, Rosan Mifalu, de Hungria, em frente à Catedral de Saintes-Maries-De-La-Mer, de onde sai a peregrinação de Santa Sara Kali

O diretor e roteirista explica que historicamente, os povos ciganos foram vítimas de políticas colonialistas/racistas, processos de invisibilização e silenciamento. Filmes, livros de literatura e estudos científicos oscilam entre representações de ódio e romantização, ora como bandidos perigosos, ora pontuando aspectos da sensualidade/sexualidade das mulheres, visões equivocadas.

“Essa realidade perpetuou imaginários negativos e impede o acesso à cidadania e serviços como educação, saúde, transporte, moradia ou trabalho formal. Assim, propomos um trabalho de autorrepresentação em todo o processo fílmico, desde a idealização, até a edição e circulação, aprofundando nos olhares ciganos, de maneira a transformar imaginários preconceituosos seculares”, enfatiza.

Saintes-Maries-De-La-Mer – Tendo por método orientador o cinema compartilhado de Jean Rouch, o filme-ensaio traz elementos identitários, como a língua, o trabalho tradicional com as vendas ou a leitura de mãos, a manutenção de manifestações culturais e tradições”, pondera o codiretor Rodrigo Zaiden, ao destacar que um dos pontos altos é a peregrinação de Santa Sara Kali.

Santa Sara Kali durante peregrinação na cidade de Saintes-Maries-De-La-Mer, em França, é acompanhada por multidão até o mar onde é banhada revivendo o mito de como chegou na cidade

“Acompanhamos a tradicional lavagem da padroeira cigana no mar mediterrâneo, junto com os amigos Florance Michel (Sinti de Itália), Rosan Mifalu (Rom de Hungria), e Monet Françoa (Manush de França), que fazem questão de comemorar anualmente. A peregrinação não é apenas uma manifestação de muita fé,  reunindo muita música e dança; elementos que os ciganos mantém em todos os territórios visitados e que brindam o público com sua originalidade”, conta Zaiden, que também atua como produtor e assistente de montagem na produção.

Como uma personagem coletiva que vai ligando personagens e territórios romani; a peregrinação de Santa Sara Kali aparecerá ao longo da narrativa com planos e sequências do ritual e dos acontecimentos profanos e musicais em seu entorno. “Abordamos o universo cigano por uma perspectiva dinâmica, cuja linha condutora são as viagens e vozes romani, que apresentam seus mundos de dentro para fora”, pontua a também codiretora e diretora de fotografia Karen Ferreira, ao enfatizar que:

“Um dos objetivos é o registro fílmico como fortalecimento das culturas e identidades ciganas, visando a quebra de estereótipos negativos. Outro é trazer novos materiais de pesquisa, por meio do diálogo intercultural promovido entre as comunidades visitadas dos diferentes países; para repensar questões relativas as estruturas sociais e a forma que a sociedade ocidental vê e (re)trata os povos ciganos”, complementa karen.

Tio Eurípedes Alves Pereira (in memorian), Tangará da Serra, tem presença marcante no documentário

Estratégia de distribuição – O projeto prevê a realização de circuito de lançamento com exibições presenciais específicas para as comunidades ciganas das quatro cidades/comunidades de Mato Grosso que participam: Tangará, Rondonópolis, Cuiabá. Também conta a criação de uma plataforma digital para divulgar informações como ficha técnica, trailer, teaser, making off, materiais de assessoria de imprensa e marketing (peças gráficas como cartaz, cartões, cards).

O site servirá ainda para ancorar redes sociais no Insta e YouTube, que serão criadas, exclusivas para divulgação do trabalho; espaço para clipagem de todo conteúdo da obra; e ao cabo de três anos de lançamento, a própria obra.

Barraca no Acampamento Nova Canaã, Rota do Cavalo, Sobradinho I, Brasília DF, que é uma das comunidades ciganas brasileiras que participam do filme

Sinopse

Os caminhos que levam ao universo romani em três países, Brasil, Portugal e França, são apresentados numa narrativa poética e intimista, inspirada na estética do premiado cineasta cigano Tony Gatlif, diretor de “Lacho Drom” (1992) e “Gadjo Dilo” (1997). Em destaque as culturas ciganas vistas de dentro, valorizando imaginários próprios. A viagem inicia com a família de um cineasta de etnia Calon em Mato Grosso; que corta o Brasil e atravessa o oceano Atlântico para reencontrar com sua ancestralidade, registrando cada comunidade, suas personagens e cotidianos marcantes, nuances de manifestações culturais, modos de vida e tradições romani, como também denúncias de exclusão e perseguição históricas.

Ficha Técnica

Pesquisa, Roteiro e Direção: Aluízio de Azevedo

Codireção: Rodrigo Zaiden e Karen Ferreira

Produção Executiva: Irandi Rodrigues Silva

Direção de Produção: Rodrigo Zaiden

Produções Local Portugal: Pimênio Ferreira

Produção Local Brasil: Fernanda Alves Caiado

Direção de Fotografia: Karen Ferreira

Fotografia complementar: Rodrigo Zaiden e Aluízio de Azevedo

Montagem: Juliana Corsino e Aluízio de Azevedo

Assistente de Montagem: Rodrigo Zaiden

Edição: Juliana Corsino

Finalização/Colorização: Isabela Padilha

Designer Gráfico e Webdesigner: André Victor

Assessoria de Comunicação e Imprensa: Aluízio de Azevedo

 

sexta-feira, 30 de dezembro de 2022

AEEC-MT e UFMT abrem inscrições para curso Juventude Cigana: da Invisibilidade à comunicação popular em saúde

 

A formação é online, gratuita e destinada exclusivamente para jovens romani de todo o Brasil. Inscrições começam nesta sexta-feira, 30/12/22 e vai até 20/01/2023. No Card os oficineiros do curso.

            A Associação Estadual das Etnias Ciganas de Mato Grosso (AEEC-MT), em parceria com o Departamento de História da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), abriu inscrições para o curso online e gratuito realizado dentro do projeto “Juventude Cigana: da invisibilidade à comunicação popular em saúde". O objetivo é formar jovens ciganos, ciganas e ciganes para a produção de conteúdos digitais nas áreas de saúde considerando o combate à fake news e a consolidação de modelos de comunicação que se preocupem com as realidades das comunidades romaníes no Brasil.

            O curso é organizado pelos jornalistas e pesquisadores Aluízio de Azevedo e Gabriela Marques, do coletivo Orgulho Romani e  a partir de chamada pública da Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)  com financiamento do governo do Canadá, que selecionou projetos de comunicação popular em saúde de todo o país.

            Serão realizadas oito sessões online, com especialistas e profissionais, sobre temas relativos à comunicação e saúde das comunidades ciganas, partindo do olhar crítico às mídias e a desinformação em saúde. Entre eles, a informação e a comunicação no campo da saúde; o que é desinformação e fake news, identificando racismo e anticiganismo: discursos de ódio e violências simbólicas; uso seguro das redes: midiatização e juventude; e produção de conteúdo para redes sociais: desafios para a autorrepresentação.

            Os encontros acontecerão entre 28/02 e 23/03 com uma hora e meia de duração cada. As inscrições estão abertas até 31/01 pelo link no formulário do Google Forms: https://forms.gle/saeZ9cXWa4gbXhQc9.                

Participantes com pelo menos 70% de presença receberão certificado ao final da formação emitido pela Universidade Federal do Mato Grosso e uma ajuda de custo como incentivo à participação. Após o encerramento do curso, será elaborado um guia online sobre produção de conteúdos em saúde para populações ciganas.

Critérios para seleção

-        Curso exclusivo para pessoas ciganas;

-        Faixa etária preferencial: 15 a 35 anos;

-        A seleção buscará paridade de gênero e diversidade sexual entre participantes;

-        Disponibilidade para participação nos horários do curso (19h às 20h30 - horário de MT e 20h às 21h30 - horário de Brasília);

-        A seleção buscará equidade étnica entre participantes proporcional às populações ciganas no Brasil;

-        A seleção buscará uma maior distribuição territorial com participantes das cinco regiões brasileiras

-        Em caso de alto volume de inscrições, será elaborada uma lista de espera, podendo haver abertura de mais vagas.

Programação

28/02 - Apresentação do projeto, dos facilitadores, oficineiros e participantes

02/03 – A informação  e a comunicação no campo da saúde - com Aluízio de Azevedo , Dr. em Informação, Comunicação e Saúde - Fiocruz/RJ, conselheiro Nacional de Promoção de Políticas de Igualdade Racial (CNPPIR), assessor para Ciência e Comunicação da AEEC-MT.

07/03 –   O que é desinformação e fake news? Como identificar?  - com Roy Rógeres, cigano – jornalista da etnia Calon e tradição circense. Multiartista e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares Sobre a Universidade(PPGEISU)

09/03 - Definindo e identificando racismo e anticiganismo: discursos de ódio e violências simbólicas - com a Dra. Aline Miklos, cantora, defensora dos direitos humanos, Senior Fellow na Oficina do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OACNUDH/ América do Sul).

14/03 - Fact-checking: fontes, canais, legitimidade e representatividade - com Karla Araújo: jornalista formada pela Universidade Federal de Goiás (UFG), com experiência nas áreas de política, economia, cidades e fact-checking, em trabalho desenvolvido em sites e jornal impresso.

16/03 - Uso seguro das redes: midiatização e juventude - com Gabriela Marques: jornalista e professora, com Mestrado em Comunicação pela Universidade Federal de Juiz de Fora e doutorado em Comunicação Audiovisual e Publicidade pela Universidade Autônoma de Barcelona (Espanha). Trabalha com populações ciganas desde 2015, membro do coletivo Orgulho Romani.

21/03 - Produção de conteúdo para redes sociais: desafios para a autorrepresentação - com Danillo Kalon: artista visual e tatuador. Formação audiovisual, no Riomarket Jovem em parceria com o Festival de Cinema do Rio para jovens periféricos. Produtor Cultural e fotógrafo, artista plástico autodidata.

23/03 – Encerramento, apresentação de propostas e avaliação.

#compopsaude #juventudecigana #ciganos #ciganas #ciganes #aeecmt #opas #fiocruz #fiocruzbrasilia #brasil #comunicação #combateafakenews #fakenewsesaúde #saúde #juventude #jovens #informação #formação #Brasil #orgulhoromani #romani #kalon #Rom #Sinti

Serviço

O que: Inscrições Curso “Juventude Cigana: da Invisibilidade à Comunicação Popular em Saúde

Quando: 30/12/2022 a 20/01/2023

Inscrições: https://forms.gle/saeZ9cXWa4gbXhQc9

Formato: online, 15h, terças e quintas entre 28/02 a 24/03/23

Texto: Assessoria para Ciência e Comunicação da AEEC-MT

Artes: Rodrigo Zaiden

Dúvidas: aeecmt@gmail.com

quinta-feira, 29 de dezembro de 2022

Moção de Congratulação a Paulo Guimarães Pereira pela ordenação como Pastor Setorial da Assembleia de Deus

 

Pastor Paulo Guimarães Pereira, ao lado da esposa Lucilene e do Pastor Gutemberg Brito Júnior, é nomeado pastor setorial da Igreja Assembleia de Deus Congregação do Industriário

A diretoria da Associação Estadual das Etnias Ciganas de Mato Grosso (AEEC-MT) vem a público congratular o nosso membro, Paulo Guimarães Pereira e toda família, pela ordenação como Pastor Setorial da Igreja Assembleia de Deus (Ministério Belém – região de Cuiabá), Congregação do Industriário, em Culto que ocorreu nesta terça-feira (27.12).

Até a data, a Congregação do Industriário era subordinada administrativamente e funcionava como subsede da Igreja do Pascoal Ramos. 

Com a setorização da Igreja do Jd. Industriário, o Pastor passa a ter independência administrativa e passa a ser responsável por mais duas congregações que estão ligadas a ela. Assim, Paulo terá mais liberdade para executar os projetos de assistência social, ajudas a missionários e evangelismo.

Lucilene e Pastor Paulo recebem a missão do sacerdócio

Nesta nova missão evangelista, Paulo Guimarães Pereira continua honrando seus pais, Severiana Honório Pereira e Izidório Alves Pereira, primeiros ciganos da comunidade mato-grossense a se converterem à Igreja Assembleia de Deus, na década de 70.

Izidório foi um dos fundadores da Igreja do Pascoal Ramos, onde congregou durante anos e era conhecido como Irmão Cigano, nunca renegando sua origem étnica. 

No livro publicado pela Igreja em comemoração aos 45 anos da Congregação do Pascoal Ramos, há uma foto publicada de Paulo ao lado do Pastor Eraldo, da mãe Severiana, da irmã Abigail e da esposa Lucilene, onde costam os seguintes dizeres:

"Irmão Cigano deixou uma marca neste setor que apesar dos anos, não se apagou, foi um grande evangelista da obra de Deus".


Trecho do livro publicado pela Igreja em comemoração aos 45 anos da Congregação do Pascoal Ramos, em Cuiabá

A Igreja Assembleia de Deus Ministério de Belém – região de Cuiabá tem como presidente o Pastor Silas Paulo de Souza. Em Mato Grosso, a Igreja é presidida pelo Pastor João Agripino de França.

 Texto: Assessoria para Ciência e Comunicação da AEEC-MT

terça-feira, 27 de dezembro de 2022

Natureza, Povos Ciganos e Justiça Climática: relações interculturais e ambientais

Artigo abordando relação entre povos romani e meio ambiente é publicado no dossiê “Educação Ambiental e Justiça Climática” da Revista Ambiente & Educação. Foto: Karen Ferreira

Acaba de sair publicado artigo do Assessor para e Ciência e Comunicação da AEEC-MT, Aluízio de Azevedo, na Revista Ambiente & Educação, que aborda a relação entre os povos ciganos, a partir dos conceitos de Justiça Ambiental e tendo como ancoragem a Educação Ambiental Fenomenológica.

Escrito em conjunto com a pesquisadora Priscilla Amorim, do Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Artes e Comunicação (GPEA) da UFMT, o trabalho é intitulado “Natureza, povos ciganos e justiça climática: relações interculturais e ambientais”.

O texto compõe o dossiê “Educação Ambiental e Justiça Climática” (v. 27 n. 2, 2022), organizado pela professora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Michèle Sato e os professores Pablo Meira e Victor Marchezini.

O artigo pode ser baixado em conjunto com todo o dossiê, na página da Revista na internet: https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/14696

A publicação conta ainda com 24   artigos, contemplando produções de pesquisadoras  e  pesquisadores  de  todas  as  regiões  do Brasil,  bem  como  produções internacionais, publicados em língua espanhola. 

Veja abaixo o resumo da publicação

Este artigo tem como objetivo refletir sobre a relação entre os povos ciganos e as questões ambientais, a partir dos conceitos de justiça ambiental e tendo como ancoragem a Educação Ambiental Fenomenológica.

Trazemos uma contextualização sobre as condições socioambientais dessas comunidades, abordando histórico e origem, diversidade cultural e identitária, bem como as condições de vida.

Na sequência, aprofundamos o olhar para os modos como os povos ciganos são impactados pelas crises climáticas e como essas questões colocam em risco a conservação e a manutenção das culturas romani, enquanto identidades de resistência.

Para finalizar demonstramos a importância da educação ambiental para estabelecermos um diálogo com os saberes ciganos, para a construção de um conhecimento emancipatório e libertador.

Como Citar

Mona de Amorim, P., & de Azevedo Silva Júnior, A. (2022). Natureza, povos ciganos e justiça climática: relações interculturais e ambientais. Ambiente &Amp; Educação, 27(2), 1–23. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v27i2.14696 

Assessoria para Ciência e Comunicação da AEEC-MT

sábado, 24 de dezembro de 2022

A Pandemia da COVID-19 e a Potencialização das Desigualdades: Comunidades Ciganas e Meios de Comunicação

Trabalho também traz a dimensão das desigualdades na comunicação e saúde cigana

A Revista Comunicação e Sociedade, vinculada à Universidade do Minho, Portugal, publicou em seu volume 42 (Dezembro de 2022), texto abordando “A Pandemia da COVID-19 e a Potencialização das Desigualdades: Comunidades Ciganas e Meios de Comunicação”.

De autoria do Assessor para Ciência e Comunicação da AEEC-MT, Aluízio de Azevedo e da pesquisadora do universo Romani, ativista negra, Gabriela Marques, o trabalho pode ser acessado e baixado no seguinte link: https://revistacomsoc.pt/index.php/revistacomsoc/article/view/3825?fbclid=IwAR2nbaRRRncsrFNmK2jJpQOU2os0wcnYQFMtajVco5QH1x0Bp94XhZOn72U

O trabalho é um dos poucos que traz essa relação entre os povos ciganos, a comunicação e saúde no viés midiático e a pandemia da Covid-19.

Trazendo uma reflexão comparando abordagens de como a imprensa tradicional tratou o tema, especificamente, aprofundando a análise comparativa entre dois jornais, um espanhol e outro brasileiro.

Acompanhe abaixo o Resumo da publicação:

A Revista Comunicação e Sociedade, é vinculada à Universidade do Minho. Foto de reportagem realizada pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva sobre os povos ciganos e a pandemia

Os povos ciganos são uma minoria historicamente excluída, invisibilizada e perseguida nos diferentes países onde se encontram, especialmente se considerarmos o contexto de sua chegada à Europa e os processos de colonização desenvolvidos por esse continente.

Diante disso, trabalhamos neste texto os modos como as comunidades ciganas estão sendo impactadas pela pandemia da COVID-19, a partir de discussões das áreas da comunicação e da saúde, bem como de uma visão crítica dos processos mencionados anteriormente.

Refletimos teoricamente sobre como essas etnias são atravessadas por múltiplas opressões que as colocam em situação de desigualdade e qual o papel da comunicação em sua inclusão social ou na manutenção de sua exclusão. ]

Destacamos como sua invisibilidade e estereótipos históricos foram aflorados durante a pandemia, aprofundando as relações de desigualdades. A partir de um olhar crítico sobre as relações discursivas, analisamos duas reportagens jornalísticas publicadas ainda em 2020, uma, no Brasil, do jornal goiano O Popular, e outra, em Espanha, do jornal ABC de circulação nacional.

A culpabilização das populações ciganas pela disseminação do vírus e seu silenciamento enquanto sujeitos capazes de articular e de refletir discursivamente sobre suas condições e situações no contexto da pandemia foram alguns dos resultados encontrados, mostrando semelhanças nas representações dos povos ciganos no contexto ibero-americano.

Sobre os Autores

Aluízio de Azevedo Silva Júnior: 

Centro de Estudos das Migrações e Relações Interculturais, Universidade Aberta de Lisboa, Lisboa, Portugal. Pós-doutorando do Laboratório de Comunicação e Saúde (LACES) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz, Rio de Janeiro). Orcid: https://orcid.org/0000-0001-8544-4134

Gabriela Marques Gonçalves:

Institut de Comunicació, Universitat Autònoma de Barcelona, Cerdanyola del Vallès, Espanha. Orcid: https://orcid.org/0000-0002-9964-7757

Como Citar

De Azevedo Silva Júnior, A., & Marques Gonçalves, G. . (2022). A Pandemia da COVID-19 e a Potencialização das Desigualdades: Comunidades Ciganas e Meios de Comunicação. Comunicação E Sociedade, 42, 259–273. https://doi.org/10.17231/comsoc.42(2022).3825

Assessoria para Ciência e Comunicação da AEEC-MT

Imagem 1 disponível em: https://www.carneiros.al.gov.br/artigo/semas-realiza-acao-de-prevencao-a-covid-19-nas-comunidades-cigana-e-quilombola 

Imagem 2 disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/noticias/especial-coronavirus/a-inacreditavel-invisibilidade-que-cobre-os-povos-ciganos/47544/

terça-feira, 13 de dezembro de 2022

NOTA DE PESAR:TIO EURÍPEDES ALVES PEREIRA

Tio Eurípedes Alves Pereira, ancião e liderança maior da comunidade cigana mato-grossense

Jala com Duvele Kalon Lachon de butere

Com muita tristeza e pesar, a Associação Estadual das Etnias Ciganas de Mato Grosso (AEEC-MT) comunica o falecimento do tio Eurípedes Alves Pereira, nosso presidente de honra, esteio e liderança maior da comunidade cigana no Estado.

As nossas condolências à querida tia Nerana Rodrigues Pereira, que perdeu o seu amado esposo, após quase 50 anos de casamento e convívio, à sua filha Eunice Alves, às netas e netos, bisnetas e bisnetos e toda à comunidade cigana mato-grossense enlutada, das quais pelo menos umas 100 pessoas são suas sobrinhas e sobrinhos.

Nascido em 15 de outubro de 1946, tio Eurípedes, faleceu depois passar sete dias internado na UTI, no hospital Metropolitano em Várzea Grande, vítima de um atropelamento.

O velório acontecerá em Tangará da Serra, onde tio Eurípedes viveu os últimos anos de sua vida, sempre exercendo a prática tradicional Kalon, do comércio e venda de cavalos.

 

terça-feira, 6 de dezembro de 2022

Projeto Diva e as Calins de MT recebe prêmio Rodrigo Mello Franco

 

Realizado pelo IPHAN desde 987, o tema deste ano do concurso foi “Sustentabilidade Socioeconômica do Patrimônio Cultural”

O projeto “Diva e as Calins de Mato Grosso: Ontem, Hoje e Amanhã” que reconheceu e homenageou a raizeira e benzedeira cigana, Maria Divina Cabral, a Diva, como mestra da cultura mato-grossense, foi uma das cinco iniciativas premiadas na categoria 2 – pessoas jurídicas da 35ª edição do prêmio Rodrigo Mello Franco (2022).

O resultado foi publicado no Diário Oficial da União desta segunda-feira (05.12), condecorando 10 ações, cinco na categoria de pessoas físicas e cinco de pessoas jurídicas de todo o país.

Produzido pela Associação Estadual das Etnias Ciganas de Mato Grosso (AEEC-MT), “Diva e as Calins de MT: Ontem, Hoje e Amanhã” foi uma das 70 iniciativas selecionadas no edital Conexão Mestres da Cultura, da Lei Aldir Blanc da Secretaria de Estado de Cultura, Esportes e Lazer de Mato Grosso (Secel-MT).

O prêmio Rodrigo Mello Franco é promovido desde 1987 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), valorizando “iniciativas com foco na promoção do Patrimônio Cultural Brasileiro, que mereçam reconhecimento público devido à sua relevância social e caráter exemplar” e que abrangem “excelência na salvaguarda de práticas e domínios da vida social representativas”.

Com a iniciativa, o IPHAN também concede às cinco melhores iniciativas o "Selo do Prêmio “Rodrigo Melo Franco de Andrade-2022", que poderão utilizá-lo em peças promocionais, de marketing e publicidade, tanto impressas quanto digitais, desde que tais peças sejam vinculadas à ação premiada.

O processo de seleção dos projetos premiados foi dividido em duas etapas: a primeira regional, quando foram selecionadas cinco iniciativas de cada região brasileira, que concorreram à etapa nacional.

Pela região Centro-Oeste, além do projeto “Diva e as Calins de Mato Grosso”, outras duas iniciativas mato-grossenses da categoria pessoa jurídica também foram selecionadas para a etapa nacional. Foram elas: “No Ritmo da Viola de Cocho: entre a Chapada e a Serra do Amolar, nas Águas do Pantanal” e “Quintais da Cultura Popular Cuiabana”.

A Comissão Nacional de seleção das ações foi composta por até 20 (vinte) membros e incluirá os 5 (cinco) diretores do Iphan, ou seus substitutos, assim como especialistas convidados, de reputação ilibada e reconhecido conhecimento no campo do patrimônio cultural.

Entre os critérios de seleção para a premiação de Diva e as Calins de Mato Grosso e as demais iniciativas selecionadas, estavam: contribuição ao patrimônio cultural brasileiro e sua sustentabilidade socioeconômica, abordagem transversal, pertinência, impacto da ação na sociedade, histórico, adequação, profundidade, diversidade de atores envolvidos e ineditismo.

Saberes das Mulheres ciganas de MT: patrimônio nacional e artístico brasileiro

Fernanda Alves Caiado: sentada de vestido amarelo florido, sua mãe, irmã e primas

Com o reconhecimento do IPHAN, de certa maneira, a mestra Diva passa a ser reconhecida como uma mestra da cultura brasileira e não apenas mato-grossense. Para a coordenadora geral do projeto e presidente da AEEC-MT, Fernanda Alves Caiado, esta é uma vitória que valoriza não apenas o saber da mestra Diva, que é importantíssimo, como também os saberes de todas as mulheres ciganas mato-grossenses e brasileiras.

“É uma vitória, uma benção e um reconhecimento. Quando a gente fala de mulher cigana, as memórias que vêm são de mulheres muito guerreiras, pelas histórias das nossas tias, das nossas mães. A gente sabe que no meio cigano elas são pilares. A Diva, por exemplo, é uma mestra em todos os sentidos. Ela sempre tratou tudo com muito amor, com muito carinho, com muito afeto. Sempre tratou muita gente, amou muita gente, cuidou da mãe dela, uma matriarca, até os últimos dias”, emociona-se a ativista cigana.

A presidente da AEEC-MT pondera que, pelo ineditismo do prêmio voltado para os povos ciganos, esta é uma mostra importantíssima de que o Estado reconhece que os povos ciganos contribuíram não apenas para as artes e o patrimônio cultural e imaterial, como também para a história nacional e a sustentabilidade socioeconômica da nação brasileira, quebrando assim, estereótipos e preconceitos seculares contra os povos ciganos.

“Eu estou muito emocionada, muito mesmo, muito feliz. Significa que a gente tá colhendo frutos do nosso plantio e que esse reconhecimento venha, permaneça e que fique enraizado nos corações das mulheres que participaram do projeto, no coração de todos que acompanharam e no imaginário e coração dos mato-grossenses e dos brasileiros. O sentimento é de muita gratidão, a Deus, a todo mundo que de forma direta ou indiretamente contribuiu”, conclui Fernanda.

Produtos Transmidiáticos: valorização da cultura e identidade cigana

Executado entre 2021/2022, o projeto se desdobrou em três produtos transmidiáticos que giraram em torno dos saberes da mestra da medicina tradicional e das mulheres que pertencem ao tronco étnico Calon e que se autodenominam como “Calins”. Foram eles: o “I Encontro de Mulheres Ciganas de Mato Grosso”, a “Exposição Multimídia Calin” e a minissérie “Diva e as Calins de Mato Grosso.

A Exposição Multimidia Calin pode ser acessada no link: www.galeriacalin.com . o trabalho visa mostrar a diversidade das mulheres ciganas que vivem nas cidades de Rondonópolis, Tangará da Serra e Cuiabá, enriquecendo também a diversidade cultural mato-grossense. O material multimídia exposto é resultado de um encontro sutil e delicado entre nossa equipe fotográfica e o modo como as mulheres ciganas destes três municípios se veem, se mostram e, principalmente, querem ser vistas, brindando o público com novas autorrepresentações do universo romani.

O I Encontro de Mulheres Ciganas de Mato Grosso ocorreu entre os dias 22, 23 e 24 de abril de 2021, em Rondonópolis (a 220 km de Cuiabá), cidade que reúne a maior comunidade cigana de MT: em torno de 150 pessoas.  O encontro contou com a participação de outras 15 mulheres ciganas e contou com duas programações: 

A roda de diálogo “Princípios Introdutórios da Medicina Tradicional Calon”, em que Diva transmitiu o conhecimento de como manipular uma garrafada; e a roda diálogo “Rememorando a Chibe”. Chibe é o modo como os ciganos brasileiros do tronco étnico calon denominam seu dialeto, que também pode ser chamado de romanon ou romanó-kaló.

Mulheres Ciganas aprendem a fazer garrafada com a Mestra Diva

Já a minissérie Diva e as Calins de Mato Grosso é um trabalho etnodocumental, composta por cinco episódios de aproximadamente cinco minutos cada, que retrata os saberes e as tradições das mulheres ciganas mato-grossenses.

O trabalho adentra ao universo romani trazendo como foco a história da Mestra Diva e de outras quatro mulheres suas parentas, consideradas pela série como mestras da cultura cigana. São elas: a professora Irandi e a assistente Social Terezinha, ambas residentes em Cuiabá; a agricultora Nerana (Tangará da Serra) e a negociante Nilva (Rondonópolis); mulheres calins que tanto estruturam suas famílias e comunidades, quanto fazem a diferença na realidade social do estado e do país.

Assista aqui ao teaser da minissérie Diva e as Calins de MT.

Texto: Aluízio de Azevedo, Assessor para Ciência e Comunicação da AEEC-MT

Fotos: Karen Ferreira